Mês Internacional das Bibliotecas Escolares

sábado, 19 de dezembro de 2009

Património Museológico da ESJRatton na internet

''O Inventário e Digitalização do Património Museológico da Educação é uma base de dados que disponibiliza um conjunto de peças que integram as colecções pertencentes aos vários estabelecimentos de ensino, designadamente antigos Liceus e Escolas Industriais, e que partilha com a comunidade o trabalho que envolve as escolas e os professores, divulgando parte do valioso e vasto património museológico que se encontra sob a tutela do Ministério da Educação.''


Na Escola Secundária Jacome Ratton uma equipa composta pelos professores Maria do Carmo Sobral, Moura Ferreira e Joaquim Santos, nos últimos anos tem desenvolvido um extraordinário trabalho de inventariação e digitalização do Património Museológico, o qual integra o Museu Virtual do Ministério da Educação.
As peças poderão ser vistas, assim como a sua pormenorizada descrição a partir do seguinte endereço
http://edumuseu.sg.min-edu.pt/resultado.aspx , indo à coluna da esquerda e entrar em pesquisa por escolas. Da longa lista de 58 escolas cujo património está inventariado e publicado escolherá a Escola Secundária Jacome Ratton, assim como poderá visitar o património de qualquer das outras escolas.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Ano Internacional da Astronomia



“Há muito mais mistérios no céu, Horácio,
do que aqueles que sonha a tua vã filosofia.”

Shakespeare

No ano em que se celebra o Ano Internacional da Astronomia, a Escola Jácome Ratton vem durante esta semana, de 14 a 18 de Dezembro, associar-se aos festejos daquela que pode ser considerada, legitimamente, a mais velha das ciências— a Astronomia. NA verdade, embora remontem aos babilónios os mais antigos conhecimentos astronómicos, quando estes observavam os movimentos regulares de Vénus, os nossos antepassados mais longínquos já olhavam para o céu com fascínio e admiração. De tal modo que projectaram nele os seus deuses, através de constelações cujo nome chegou até ao nosso tempo. Ao identificarem estruturas no céu e regularidade no movimento dos astros, os nossos antepassados estavam a fazer as primeiras construções científicas.
Se o estudo do céu sempre fascinou a humanidade, a própria história da astronomia tem um percurso não menos fascinante.
Com efeito, como resultado das suas observações do céu os nossos antepassados começaram a definir os seus deuses, ao mesmo tempo que viam no movimento dos astros as linhas do seu destino - nascia a astrologia (que não é ciência).
Apercebendo-se da grandeza do cosmos, os primeiros cientistas colocaram, não só, a Terra (modelo geocêntrico), como o próprio Homem no centro do universo. Tiveram que passar muitos séculos para que Copérnico viesse tirar a Terra, e com ela o Homem, do centro do universo. Foi uma desilusão, a que se seguiram novos fascínios. Afinal não era o Sol o centro do universo (modelo heliocêntrico), era a galáxia.
Mas parece que também não é a galáxia, pois galáxias há muitas e encontram-se em enxames e
superenxames. Afinal não há centro do universo. Bom, pelo menos ninguém está no centro, o que ainda nos deixa alguma hipótese de sermos alguma coisa neste mundo.
De há cem anos a esta parte a astronomia vem-nos dizendo que o universo terá surgido de uma explosão inicial a que chamaram Big Bang; que nós somos filhos das estrelas, pois foi nelas que se formou a maior parte dos átomos de que somos feitos; que o que vemos no céu é o passado e que isso pode ajudar-nos a descobrir ainda mais coisas sobre o mundo e sobre nós; que as galáxias se estão a afastar umas das outras, cada vez mais depressa, e que se assim continuar o mundo não acabará num Big Crunch; e que afinal há matéria escura e energia escura e… que vêm aí novas descobertas e novos fascínios.
Mas, ainda, neste ano comemoram-se as primeiras observações de Galileu em 1609, que com os seus elescópios, demonstrou o movimento dos corpos celestes e, também, os 400 anos do lançamento do livro Astronomia Nova de Johannes Kepler.
Num ano tão rico em celebrações e descobertas para a astronomia tornam-se pertinentes as célebres palavras de Galileu:
"E pur si muove".

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Ano Internacional da Astronomia 2009


A Equipa da Biblioteca Escolar e os professores Joaquim Santos e Jorge Aleixo dos grupos disciplinares de Física e Química e de Economia e Contabilidade, respectivamente, comemoram o Ano Internacional da Astronomia com uma mostra bibliográfica, projecção do filme "De olhos no Céu", exposição de cartazes e uma exposição fotográfica "Hubble". Esta actividade decorre entre os dias 14 e 18 de Dezembro. Será ainda ministrada formação de utilizadores em pesquisa de catálogo on-line sobre a temática da astronomia.
link para o céu de Tomar: